quinta-feira, 8 de abril de 2010

A Primeira tentativa de preservação no Brasil

A primeira tentativa visando à proteção de monumentos históricos já data de meados do século XVIII. O Conde das Galveias, D. André de Melo e Castro. Vice-Rei do Estado do Brasil de 1735 a 1749 ao tomar conhecimento das intenções do Governador de Pernambuco sobre as construções deixadas pelos holandeses nesta capitania. A grande preocupação do Conde das Galveias foi a entrega do Palácio das Duas Torres, obra do Conde Maurício de Nassau, ao uso violento e pouco cuidadoso dos soldados. Para tanto, escreveu-lhe uma carta ao Governador de Pernambuco Luís Pereira Freire de Andrade, a fim de tomar providências de modo que não interferissem nestas construções.

[...] será mais últil fabricar-se quartéis novos, do que bulir no Palácio das duas Torres, porque tenho por certo que, por mais que se trabalhe em atalhar as despesas, em bulir a obra, sempre ficará coberta de remendos. (Trecho da Carta do Conde das Galveias ao Governador de Pernambuco, 1742)

Esta carta remonta uma percepção de importância de se preservar parte da história por meio da proteção dos monumentos históricos. De acordo com o arquiteto Luís Saia, ex-conselheiro do CONDEPHAAT, após a iniciativa do Conde das Galveias passou-se mais de um século para que o assunto fosse retomado. O Ministro do Império brasileiro Luiz Pereira de Couto Ferraz, mas tarde Visconde do Bom Retiro, transmitiu ordens (junho de 1742) aos Presidentes das Províncias para obterem as coleções epigráficas para a Biblioteca Nacional e também ao Diretor de Obras Públicas da corte para o cuidado com as reparações dos monumentos sem perder sua grafia. Em 1774, Alfredo do Vale, chefe da seção de manuscritos da Biblioteca Nacional percorreu as províncias da Bahia, Alagoas Pernambuco e Paraíba, recolhendo a epigrafia dos monumentos da região.

OBS: Quem desejar a carta do Conde de Galveias na íntegra fazer o pedido através do sistema Fale Conosco do Blog.

6 comentários:

  1. Sou estudante de História e estou formulando um trabalho acadêmico sobre a preservação dos patrimônios Históricos da minha cidade. Moro no interior de Pernambuco e vejo que é de grande importância abordar em meu trabalho essa primeira tentativa de preservação no Brasil de um monumento Histórico, tal como foi nomeado acima. Gostaria então que me fosse passado se possível a carta do Conde de Galveias na íntegra como consta na observação. Desculpe, mas infelizmente não encontrei a ferramenta "Fale Conosco". Meu email é: robson_rtm13@hotmai.com
    Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  2. Sou estudante de Arquitetura e Urbanismo e estou formulando um trabalho final de graduação sobre a preservação dos patrimônios Históricos do Brasil. Vejo que é de grande importância abordar em meu trabalho essa primeira tentativa de preservação no Brasil de um monumento Histórico, tal como foi nomeado acima. Gostaria então que me fosse passado se possível a carta do Conde de Galveias na íntegra como consta na observação. Desculpe, mas infelizmente não encontrei a ferramenta "Fale Conosco". Meu email é: pamaral.albernaz@gmail.com
    Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  3. Olá! Gostaria de obter a íntegra da carta. alexsandro.guergolet@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. Olá sou pesquisadora CNPq do mestrado em linguística e gostaria de obter a carta. segue o meu endereço de email: giseliveronez@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Segue o email para o envio da carta na íntegra marcelofnt@gmail.com

    ResponderExcluir